Out Of The Box

maio 02, 2017


T-shirt - Acne Studios | Coat - Elena Miró | Scarf - Mango | Shoes: Zara | Necklace: Omnia
T-shirt - Acne Studios | Casaco - Elena Miró | Cachecol - Mango | Sapatos: Zara | Colar: Omnia

Something I realized in the past years of travelling and moving from place to place  is that when you're travelling or living in a place for a short time, you tend to look at the city's architecture with different eyes from someone who lives in it without an expiration date. 
I know this because when I moved to London I was always amazed by the beauty of the buildings and couldn't understand how Londoners could always be rushing on their daily routine and never stopped to look up and admire the breathtaking architecture above all of us. 

Same happened now that I live in Porto. 
As you might have perceived, by the innumerous pictures I take by Casa da Música, it's my favourite place to shoot. It's basically a minimalist heaven and I'm always drawn to it. 
What I didn't notice was that I always took the pictures from the same angle, never exploring the many sides of that magnificent engineering work. 
On a Sunday afternoon, almost as the sun was setting in the horizon, I finally looked at it and saw it with a new light; ten minutes later I had these pictures in my SD Card and I knew they were extra special. Mostly, because I finally looked at Casa da Música and imagined my photos out of the abstract box that I always drew in my head. 

//
Algo que percebi nos últimos anos de viagens e de viver em vários sítios é que quando estamos a viajar (ou a viver numa cidade a curto prazo), temos tendência a olhar para a arquitectura dessa mesma cidade de uma forma diferente de alguém que vive lá sem data de validade.
Sei isto porque quando vivi em Londres, andava constantemente maravilhada com a riqueza arquitectónica e não conseguia perceber como é que os Londrinos estavam sempre a correr na sua rotina diária e nunca paravam, olhavam para cima e admiravam a beleza que estava perante de nós.

O mesmo aconteceu agora que vivo no Porto.
Como devem ter percebido, pelas inúmeras fotos que tiro, a Casa da Música é um dos meus sítios favoritos para fotografar. É, basicamente, o paraíso para todos os minimalistas.
O que nunca tinha percebido era que todas as fotografias que tirava eram sempre do mesmo ângulo, nunca chegava a explorar os vários lados desta magnífica obra de engenharia e arquitectura.
Num domingo à tarde, quando o sol estava quase a desaparecer, finalmente olhei para a Casa da Música e vi-a numa nova luz; dez minutos depois tinha estas fotografias no meu cartão SD e sabia que eram muito especiais.
Em particular, porque retratam o dia em que olhei para este edifício tão familiar e imaginei as fotos fora da caixa abstracta que desenhei na minha mente.

11 comentários:

  1. Espero nas minhas férias ir aí fotografar... é realmente qualquer coisa esse edifício! Adoroo ♡

    ResponderEliminar
  2. é mesmo verdade que quando saltamos de sítio em sítio tendemos a ver as cidades diferentemente. adoro esse olhar que ganhamos, não de local que está farto ou de turista que vê pela primeira vez, mas como viajante e apreciador das pequenas coisas. Adorei as fotos, e estou a gostar muito de como tens brincado com a luz e a sombra. continua o ótimo trabalho!

    beijinho,
    http://www.moibyines.com

    ResponderEliminar
  3. Observar a arquitectura é das melhores coisas para se fazer quando estamos no sítio novo. Gosto imenso das fotos! :)

    http://batomebotasdatropa.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. As fotos estão lindas!

    Beijinhos,
    Inês
    http://www.indiglitz.pt

    ResponderEliminar
  5. Tens toda a razão! Agora que penso bem, há coisas que na minha cidade nunca parei para apreciar e na verdade têm uma beleza que nunca consegui admitir!

    ResponderEliminar
  6. Estás sempre fantástica! E isso que falas é mesmo verdade, nunca paramos para observar o que está á nossa volta, pelo menos, eu sou sempre assim...

    http://big-hill-of-hope.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Isso também me acontece quando estou algum tempo longe da cidade onde cresci: passava montes de vezes por edifícios que na altura não me diziam nada, mas agora paro um bocadinho para os observar com olhos de ver... E é engraçado, porque tal como disseste, ao longo do dia e até conforme o nosso estado de espírito encontramos sempre novos ângulos e ideias para fotografar!

    Com amor,
    sara

    priceless-ambition.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  8. Também me acontece, curiosamente ... quando vou para uma cidade nova perco-me a ver cantos que não noto na minha ...

    ResponderEliminar
  9. Adorei as fotografias. Também olho sempre para a arquitetura quando visito uma cidade, é das coisas que mais me fascina :)

    ResponderEliminar

Contemporary Lives Here © 2017
Template by Blogs & Lattes